16 setembro 2014

Momento Poetisa: Sou uma Mutação.


Mutação. Essa é a minha autodefinição. Fui adaptando-me todos os dias com as críticas, julgamentos e comentários desrespeitosos sobre mim que até então eu desconhecia. Sou uma mutação. Mudei. Muito. E mudarei novamente, se for preciso. De fraca tornei-me uma nova criatura. Ora meiga ora estressada. Sou a união de dois mundos. O bem e o mal. Não vivo no meio termo, sou do bem (acredite se quiser), mas o mundo me distorce. Me reinventa. Tempos atrás eu me ofenderia com qualquer palavra um pouco forte dirigida a mim. Hoje? Ah! Hoje já não faz diferença. Percebi que não preciso agradar os outros para ser feliz, entendeu? Comecei a deixar a vida meio “Sem Freio”. Parei de controlar pensamentos; atitudes; sonhos. Comecei simplesmente a viver. Desagradei metade do mundo mais é a outra metade que realmente me importa… A metade que me ama. Parei de tentar fazer com os outros se importassem com o que penso, pois percebi que aqueles que se importavam não precisavam que eu os obrigassem à algo. Eles simplesmente se importavam. Digamos que joguei fora todo aquele lixo existente na minha vida. Não guardo mais nada, nem mesmo rancor ou ódio. Simplesmente ignorei. Deixei de viver para os outros e comecei a viver pra mim.

Um comentário:

- Sejam bem vindos ao Escritas de Verão
- No final do comentário deixe o link do seu blog que eu irei olhar seus post e comentar nos quais eu gostar :D
- Sugestão/Criticas Construtivas são bem vindas
- Sem xingamentos por favor!

© Escritas de verão - 2014. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.