22 fevereiro 2013

Momento literário

Olá pessoas,
Voltei para atualizar o momento literário com mais um texto do meu querido tumblr. Eu particularmente achei muito bem escrito e criativo. Espero que gostem!




Não existe meio termo para aeroportos: ou são tristes demais, ou são felizes demais. Nunca é meio-feliz ou meio-triste. Aeroportos simbolizam a chegada do sorriso ou a partida dele, entende? Já vi muita gente sair por aquela porta de desembarque, cuspindo alegria e cheios de abraços confortantes, assim como já vi muita gente entrar pela mesma porta, carregados de lágrimas e saudade. Acho que ninguém nunca havia parado pra pensar em algo tão idiota, mas ontem, a caminho do aeroporto, eu parei. Era madrugada, mas o céu já estava sofrendo a sua metamorfose radiante, mudando do negro escuro pro laranja ácido. O voo estava marcado pras 6:15 da manhã. Seis hora e quinze minutos levariam um pedaço do meu coração. Nunca tinha odiado tanto um aeroporto quanto aquele instante. Nunca, em todas as histórias que já passei nesse lugar onde aviões decolam e aterrizam, me senti tão quebrada por dentro. É isso: aviões nunca descolam sem aterrizar, assim como não aterrizam sem uma hora decolar outra vez. Meu coração trincava a cada barulho de turbina que se ouvia naquele lugar. As lágrimas saltavam dos meus olhos a cada vez que os alto-falantes citavam que era a-ultima-chamada-pro-voo-5996, embarque imediato. Imediatamente o chão de abriu. Malas e mais malas eram depositadas naquela esteira infinita, enquanto tudo o que se ouvia era o eco corrosivo pelos corredores lotados. Tanta gente. Tantas famílias, histórias, pressa e calmaria em um mesmo tom. Pessoas ansiosas pra voltar pra casa; pessoas tristes ao sair dela. Pessoas se despedindo com data pra voltar; pessoas sem data pra voltar ao se despedir. Pessoas que vieram passar as férias na minha cidade; outras que cansaram de passar as férias aqui. Check-ins realizados, sonhos ainda inacabados, hora de partir. Aeroportos - lotados ou vazios - nunca são cem por cento tristes assim. Enquanto uma mãe chora porque a filha vai fazer faculdade em uma cidade distante, outra sorri porque o filho voltou da viajem de formatura. São em aeroportos que os abraços mais calosos são dados, assim como os beijos mais cheios de desejo. E tudo é cinza demais ou colorido demais. Eles podem levar o seu coração embora. Ou podem devolvê-lo a você.

Texto by: Capitule.

8 comentários:

  1. Meu Deus, que maravilha de texto é esse? Estava pensando nisso há 2 dias. Principalmente, pq talvez eu saia para intercâmbio e estava imaginando isso. Como seria no aeroporto e como seria a chegada nele.
    Esse texto é maravilhoso. Vc deveria montar um livro de contos/crônicas. Amei demais. Vou publicar em uma coluna no meu blog. Com os devidos créditos, é claro. Se vc permitir. beijos
    http://radarmexeriqueiro.blogspot.com.br/2013/02/romances-da-harlequim.html

    ResponderExcluir
  2. Lindo o texto! E super verdade...
    Eu nunca passei por essa experiência de me despedir, ou esperar alguém. Minha irmã mora fora do país e eu não consegui me despedir por problemas do trabalho. Só eu sei a falta que eu sinto de ter dado um último abraço.

    http://elasopensanisso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Também adorei o texto, super bem escrito! Tacy barbosa, pode postar sim o texto! ((:

    ResponderExcluir
  4. Olha Que top esse site e o conteúdo também gostei muito, Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  5. Olá querida, já estou seguindo seu blog, que é muito charmoso viu?


    Convido você e suas leitoras a conhecer o meu:

    http://toobege.blogspot.com.br/


    Beijinhos e tenha uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  6. Obrigada Mateus e Mariana!!!
    Irei olhar o seu blog com certeza *-*

    ResponderExcluir
  7. Uoooooooool vc escreve muitíssimo bem =D Parabéns!!!!!

    ResponderExcluir

- Sejam bem vindos ao Escritas de Verão
- No final do comentário deixe o link do seu blog que eu irei olhar seus post e comentar nos quais eu gostar :D
- Sugestão/Criticas Construtivas são bem vindas
- Sem xingamentos por favor!

© Escritas de verão - 2014. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.